Purágua - Marca Registada
    
Água da torneira

A. O gosto desagradável

Todos são unânimes em reconhecer que as mais evidentes das suas características são certamente o seu mau gosto, que se deve a todos os produtos de tratamento, e frequentemente ao seu peso, quando ela é calcária. O seu consumo não é agradável e ela ainda vai adulterar todas as bebidas (chá, café, tisanas, caldos) e o sabor dos alimentos quando utilizada na sua cozedura.

B. Os produtos de tratamento da água

O mais conhecido é o cloro, que é um super oxidante, daí a sua eficácia para matar micróbios e bactérias que não se podem desenvolver em semelhante meio. Este produto é adicionado à água para torná-la "potável". O cloro é um dos principais responsáveis pelo gosto desagradável da água.

Estudos Americanos recentes confirmam mais uma vez a sua influência nefasta sobre a saúde, já posta em evidência pelas medições bio-electrónicas.

O Cloro provoca, ao combinar-se com diversas matérias orgânicas presentes na água, a formação de clorofórmio, de tricloretileno, tetracloroetano e haloformas cancerígenas. Combinado com o amoníaco, ele transforma-se em cloramina que é igualmente muito nociva. Esta formação de derivados reduz a quantidade de cloro activo e favorece a proliferação bactérias. Um outro processo de tomar a água potável, por vezes utilizado em França, é o ozono que é também um gás muito oxidante. Em princípio, ele decompõe-se rapidamente, mas não parece ficar excluído pois uma parte subsiste até à torneira. Topo

C. Os nitratos

Eles provêem da utilização excessiva e em constante crescimento de adubos azotados. Os nitratos que assim se formam poluem cada vez mais os lençóis freáticos e não poupam certas fontes de água mineral.

As normas Suíças proíbem mais de 20 miligramas por litro, a França autoriza 50 mg/Lt e a concentração ultrapassa frequentemente este montante, atingindo por vezes, 100 mg/lt. As chuvas fortes conduzem os excedentes de azoto para os rios e para os lençóis freáticos, esta é a razão porque a poluição causada por nitratos não cessa de aumentar. Mais de 2 milhões de franceses bebem água cujo teor em nitratos é superior a 50 mg/lt.

Os nitratos podem transformar-se em nitrosaminas cancerígenas em contacto com as aminas dos tecidos. Eles provocam no indivíduo uma patologia chamada "metemo-globinémia", uma espécie de asfixia do sangue. É por esta razão que a água da torneira pode não ser conveniente para crianças de tenra idade. Topo

D. Os pesticidas, os fungicidas e os insecticidas

95 000 Toneladas destes perigosos produtos são aplicadas anualmente nos solos em França. 900 Substâncias diferentes de insecticida, fungicidas e outros produtos utilizados na agricultura são homologados. Estes produtos químicos contaminam lençóis freáticos e podem ser reencontrados em quantidades sempre crescentes na água da torneira.

A toxicidade aguda destes produtos é bem conhecida. Ela é notoriamente acentuada pelo facto da sua frequente associação, interacção cujos prejuízos não são ainda conhecidos, mas cuja gravidade nós podemos recear. Em 1994, por exemplo, 307 em 353 municípios d'llle-et-Vilaine distribuíram águas cujo teor em atrazina era superior às normas.

A revista "Que Choisir" realizou um estudo sobre a presença destes produtos químicos na água da torneira: das 151 amostras enviadas para laboratório, 18 comportavam vestígios de pesticidas, em 34 casos, valores superiores à norma. Esta é estabelecida a partir do limiar de detecção de 0,1 micro-grama por litro. Numerosos investigadores pensam que doses fracas mas repetidas não são isentas do perigo a longo prazo.

Todos os produtos químicos utilizados levam um certo tempo a atingir os lençóis freáticos, em função da natureza dos solos e da pluviosidade. É portanto previsível que a sua concentração na água da torneira ainda vá aumentar nos anos vindouros.  Topo

E. Os inconvenientes do calcário

Conhecemos bem todas as suas consequências ao nível das máquinas de lavar roupa e loiça, dos esquentadores e dos canos. Devemos fazer intervir um canalizador para os destartarizar senão avariam-se e, por vezes, os canos tem tanto tártaro que a agua quase que não corre e, por sua culpa, os radiadores não conseguem aquecer.

O excesso de calcário pode igualmente afectar o nosso organismo, e pouco a pouco, danificar as Nossas artérias.  O calcário deposita-se igualmente nos rins, criando frequentemente cálculos, provocando anualmente dezenas de milhares de operações para os retirar.

F. Inconvenientes de cozinhar os alimentos com água da torneira

A maior parte dos consumidores de água mineral cozinham, por razões de custo e transporte, com água da torneira. Eles consomem deste modo quantidades não negligenciáveis de produtos tóxicos de que desejam proteger-se ao comprar água mineral.

É lamentável que os consumidores avisados façam o esforço de comprar alimentos de boa qualidade e os preparem com água calcária, com cloro, alcalina e oxidada com um potencial vital tão fraco. Topo

A água é melhor quando fervida?

Ferver água destrói as eventuais bactérias mas não elimina qualquer dos elementos indesejáveis (cloro, nitratos, pesticidas). Acresce ainda que sob o efeito do calor o carbonato de cálcio precipita-se e transforma-se em tártaro.

Efeitos sobre a digestão e a assimilação dos alimentos: - Experiências científicas demonstraram que a água calcária com pH básico prejudica a assimilação dos alimentos. Com efeito, observou-se nos excrementos dos animais de criação que bebem uma água dura, uma elevada presença de proteínas e de sais minerais. A concentração destes elementos é fraca nos excrementos dos animais alimentados de maneira idêntica, mas bebendo água pura.

O cloro, destruindo os micróbios e as bactérias da água, tem o mesmo efeito sobre a flora intestinal.

Independentemente dos produtos acrescentados, pelos poderes públicos e dos contaminantes químicos (nitratos, pesticidas), encontramos igualmente metais pesados na água.

G. As descargas de metais pesados

Numerosas fábricas instaladas perto de rios despejam aí importantes quantidades de resíduos e nomeadamente de metais tóxicos que vamos encontrar na água da torneira.

Numa revista de informação sobre saúde, a "Fondamental" nº 15, o comandante Cousteau declarava: Hoje, as nossas fábricas despejam arsénio, mercúrio e chumbo nos cursos de água. Os nossos esgotos juntam-lhe detergentes. Os nossos campos cultivados fazem lá correr adubos e pesticidas A poluição da água que nós bebemos está na origem de numerosos cancros". Topo

H. A influência das canalizações O CHUMBO

Numerosos canos que levam a água às nossas habitações são ainda em chumbo. Podemos encontrá-lo em seguida dissolvido em quantidades excessivas na água, quando ela é demasiado doce.

Encontramos em numerosas crianças, que bebem água com elevado teor de chumbo, problemas de saúde em relação directa com intoxicação do organismo por este metal: atrasos escolares, baixos quocientes intelectuais, problemas de comportamento.

As crianças são muito mais vulneráveis que os adultos, pois armazenam 50% do chumbo ingerido contra apenas 10% pelos adultos

Fracas exposições ao chumbo parecem, a longo prazo, responsáveis por hipertensão renal e insuficiência renal que são as consequências do saturnismo.

A Comunidade Europeia fixou a concentração máxima em 50 micro-gramas por litro e o nível de alerta às 100. Esta norma foi estabelecida às 10 micro-gramas nos Estados Unidos . Topo

A alteração da qualidade da água nos canos

À saída da estação de tratamento, a qualidade microbiológica da água é garantida pela ausência de bactérias e de germes patogénicos. No entanto, parece que micro organismos indesejáveis podem colonizar as canalizações e proliferar no interior da rede de distribuição.

I. O potencial energético da água

A energia vital mede-se em unidades Bovis ou em Angstroms. Uma célula ou um órgão em perfeita saúde emite cerca de 6 500 unidades, os alimentos biológicos e frescos à volta de 9 000. A água da torneira, em Paris, por exemplo, emite apenas cerca de 3000 unidades.

Compreendemos assim imediatamente que o consumo de uma tal água debilita o organismo e reduz a sua oscilação celular, factor fundamental de doença, como demonstrou Lakhovsky.

J. Como verificar por si próprio a qualidade Da sua água?

Teste de dureza: Concentração de calcário da sua água. Idealmente, não deveria ultrapassar 15 a 20 mg/lt.

Teste de nitratos: Detecta a sua presença em quantidade na água. Esta concentração é variável consoante as regiões. Certas contêm-no em baixa quantidade, outras estão próximas das normas máximas autorizadas de 50 mg/lt. Cada vez mais, as normas são ultrapassadas podendo chegar às 100 mg/lt.  Topo

Teste do pH: Testa a acidez ou alcalinidade da água. Um bom pH deve estar compreendido entre 6 e 7.

 

A Água da Torneira

 

A água ajuda a manter a tonicidade muscular apropriada, ao dar aos músculos a sua habilidade natural para contrair e prevenindo a desidratação.

A água ajuda a prevenir a flacidez da pele que geralmente acontece com a perda de peso, deixando-a limpa, saudável e brilhante.

A água ajuda o corpo a expelir os desperdícios tóxicos. Durante os períodos de perda de peso, o corpo tem substancialmente mais desperdícios para eliminar, uma vez que a gordura destruída é desfeita e espalhada.

Topo